Pesquisar
Close this search box.

O revolucionário plástico biodegradável capaz de autocurar e nutrir a vida marinha

Recentemente a Universidade de Tóquio publicou uma matéria de uma fronteira inovadora no campo dos materiais sustentáveis ​​foi alcançada por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Tóquio. Os cientistas desenvolveram um tipo único de plástico cuja robustez à temperatura ambiente não impede a fácil decomposição com solventes específicos, e que também tem a capacidade de se auto-reparar ou retomar a sua forma original depois de aquecido.

Este novo material, à base de resina epóxi Vitrimer, destaca-se pela sua elevada resistência e maleabilidade. Os vitrímeros são plásticos conhecidos que, se aquecidos acima de 150°C, alteram a topologia de sua rede reticulada sem derreter, tornando-se moldáveis. A VPR vai além: com a adição do polirotaxano, o material não só ganha resistência, como também mantém formas complexas à temperatura ambiente.

Shota Ando, ​​​​pesquisador principal do projeto, diz que o VPR excede em cinco vezes a resistência à fratura dos vitrímeros convencionais, ao mesmo tempo que permanece remodelável por calor e rapidamente reparável. Esta característica foi efetivamente demonstrada através de um experimento com uma figura de origami: um guindaste que, depois de achatado, recuperou sua forma tridimensional detalhada com um simples aquecimento

A versatilidade do Vitrimer Incorporado com Polirotaxanos (VPR)

Além da memória de forma e da autocura, o VPR apresentou reciclagem química 10 vezes mais rápida que os vitrímeros normais quando imerso em solvente e aquecido. Outro avanço é a biodegradabilidade na água do mar, com taxa de 25% em apenas 30 dias, e a possibilidade de fragmentos de polirotaxano servirem de alimento para a vida marinha.

Este plástico avançado presta-se a uma gama de aplicações que vão da robótica à medicina, da moda ecológica à infraestrutura e revestimentos automotivos. Por exemplo, o VPR poderia transformar a manutenção de estradas e pontes, permitindo-lhes auto-reparar simplesmente através da entrada de calor. Além disso, a indústria da moda poderia beneficiar desta tecnologia para criar roupas que possam ser moldadas com ferramentas comuns, como secadores de cabelo ou ferros de engomar, reduzindo assim a libertação de microplásticos no ambiente.

A investigação publicada na ACS Publications destaca não só a inovação científica, mas também abre um diálogo sobre como tais materiais podem ser implementados para reduzir o impacto ambiental da indústria dos plásticos, que apesar dos esforços de reciclagem, continua a crescer anualmente com sérias implicações para o ecossistema e saúde pública.

Fonte: Universidade de Tóquio – Cartas de Materiais ACS via green me https://www.greenmebrasil.com/informarse/ambiente/84526-o-revolucionario-plastico-biodegradavel-capaz-de-autocurar-e-nutrir-a-vida-marinha/

Compartilhar

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

Veja Também

Veja a Diferença Entre as Resinas de Cura UV

Veja a Diferença Entre as Resinas de Cura UV

Estrutura do Vídeo: 00:00 – Introdução: Fernanda dá as boas-vindas e apresenta o tema do vídeo. 00:08 – Abertura: Breve…
Tempo de Vida do Porcelanato Líquido, quanto tempo dura?

Tempo de Vida do Porcelanato Líquido, quanto tempo dura?

Por Gutemberg Motta  com adaptações Neste artigo, vamos examinar detalhadamente todos os aspectos relacionados ao tempo de vida do porcelanato líquido,…
Chevrolet Corvette de 1953 foi o pioneiro entre os carros feito de fibra de vidro

Chevrolet Corvette de 1953 foi o pioneiro entre os carros feito de fibra de vidro

Foto: Divulgação internet O Chevrolet Corvette de 1953 marcou um importante marco na história automotiva ao se tornar o primeiro…